Policial

Policiais rodoviários federais são presos por desvios de mercadorias apreendidas

São 4 policiais presos e outros 7 investigados que serão afastados das funções

A Polícia Federal em Foz do Iguaçu (PR) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) – por meio de sua Corregedoria, deflagraram, dia 10 de agosto, a Operação Spoliare, para desarticular esquema envolvendo servidores públicos suspeitos de estarem, sistematicamente, desviando mercadorias apreendidas e dando destinação diversa da determinada em lei. O intuito é de obterem vantagens financeiras ilícitas, além de facilitarem ações de particulares envolvidos com contrabando e descaminho.

A investigação teve início com a Corregedoria PRF e evoluiu para a instauração de um procedimento na Polícia Federal e contou com o apoio do Ministério Público. Nesta fase ostensiva das investigações, mais de 150 policiais federais e 56 policiais da Corregedoria da PRF cumpriram 32 mandados de busca e apreensão, 7 mandados de prisão cautelar, 11 mandados de afastamento da função pública e 2 mandados de sequestro de bens.

Cidades

Operação da Corregedoria e da PF em postos rodoviários.

As ações ocorreram nas cidades paranaenses de Foz do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu Medianeira, Céu Azul, Cascavel, Toledo, Telêmaco Borba, Curitiba e São Paulo, capital. As ordens judiciais foram expedidas pela 3ª Vara Federal de Foz do Iguaçu.

Dos 7 mandados de prisão cautelares expedidos, 4 foram contra policiais rodoviários federais – um deles já aposentado, e 3 para particulares. Outros 7 policiais rodoviários federais investigados serão afastados de suas funções e responderão a processo administrativo disciplinar, dentro da própria PRF, que pode resultar na pena de demissão.

Vendas de produtos apreendidos

Também foi possível coletar elementos probatórios de que os envolvidos realizavam vendas dos produtos em plataformas de comércio eletrônicos, ou contavam com auxílio de particulares para dar destinação ao material, normalmente enviado para o Estado de São Paulo.

Os servidores públicos envolvidos responderão por delitos funcionais previstos como crimes contra Administração Pública e, se condenados, estarão sujeitos a penas máximas que somadas ultrapassam 30 anos de prisão. Já os particulares, que em diversas situações agiram em conluio com aqueles, também responderão criminalmente por suas condutas.

Nome da Operação

O nome da operação policial é uma palavra de origem latina que significa “esbulhar da posse; privar de alguma coisa ilegitimamente, tirando-a por fraude ou violência; esbulhar da posse de alguma coisa; roubar.,” fazendo alusão às condutas ilícitas praticadas pelos suspeitos.

Prisões

– 1 preso em flagrante pelo crime de descaminho e um por porte de granadas e munições de fuzil

– 1 preso em flagrante pelo crime de porte de granadas e munições de fuzil

– 6 mandados de prisão cumpridos

– 1 foragido

Apreensões

– R$ 434 mil

– 84 celulares

– 3 veículos

– 2 laptops

– 1 HD

– 15 MacBooks

– 2 iPads

– 1 mala com amostras de medicamentos

Mandados

– 11 mandados de afastamento da função pública cumpridos

– 54 mandados de buscas nas cidades de Foz do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu, Medianeira, Céu Azul, Cascavel, Toledo, Curitiba e São Paulo (SP).

  • Fontes: Comunicação Social PF.
  • Fotos: 

Leave a Response

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Jornal Milênio

Jornal Milênio

Portal Milênio
Jornal Terceiro Milênio. Inconfundível. Desde 1997 comunicando e transmitindo informações. Umuarama - Paraná - Brasil.