Umuarama

Professores ignoram pedido do prefeito e iniciam greve

Reajuste solicitado depende da ampliação da receita do Fundeb

Professores da Rede Municipal de Educação de Umuarama ignoraram o apelo contrário do prefeito Hermes Pimentel e prometem inciar greve por tempo indeterminado nesta quarta-feira (27). A principal reivindicação da categoria é pelo cumprimento do Piso Salarial do Magistério.

Às 8h, professores vão se reunir em frente ao Paço Municipal para uma manifestação pacífica. Em seguida deverão fazer uma passeata pelo centro da cidade. Eles estão irredutíveis quanto ao atendimento da lei em sua integralidade, que em 2022 determina 33,24% de reajuste.

Desde a Assembleia Extraordinária no dia 24 de março que o categoria vem discutindo pautas dos servidores do Magistério Municipal. Foram relacionadas pela diretoria do Sispumu (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Umuarama) o piso do magistério 2022, reforma da previdência municipal, hora atividade, falta de professores e quantidade de alunos na educação infantil.

Greve foi decidia dia 19 de abril. Prefeitura foi notificada no dia 20.

A greve foi decidida em assembleia extraordinária realizada no dia 19 de abril. A presidente do Sispumu, Lígia Strugala Bezerra justifica que o piso salarial do magistério da educação básica é um direito garantido em Lei Federal. “Portanto, a cobrança é para que o mesmo seja cumprido em nosso município”.

Apelo do prefeito

O prefeito Hermes Pimentel fez um apelo aos professores para que a categoria desista de fazer greve neste momento. “Estamos saindo de uma crise causada pela pandemia que prejudicou todos os setores da economia. Uma greve, neste momento, afetaria diretamente as creches (os CMEI – centros municipais de educação infantil), onde ficam os filhos das pessoas que trabalham no comércio, na indústria e na área de serviços. O momento é de retomada, de unir esforços e não de paralisar e criar mais dificuldades”, apontou.

Pimentel lembrou que a administração municipal já concedeu neste ano uma revisão salarial acima da inflação. “O índice de 10,56% atendeu aos professores e demais categorias do funcionalismo, com 0,5% de ganho real. É o que foi possível, mantendo a responsabilidade fiscal. Não há condições para mais aumentos. A escola é a segunda casa das crianças e os pais não podem encontrá-la de portas fechadas”, disse, convocando a sociedade para sensibilizar os professores a continuarem trabalhando.

Impacto econômico

O prefeito falou do impacto econômico que o aumento traria a outros setores da administração – já que o município utiliza 100% da receita do Fundeb e aporta mais de R$ 7 milhões anuais para complementar a folha do magistério. “Caso os professores tivessem mais este reajuste agora, teríamos de sacrificar outras áreas essenciais e em breve a folha se tornaria inviável. Estamos buscando formas de ampliar a receita do Fundeb para assim podermos aumentar os salários dos professores”, completou.

Fundeb é o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica. Os municípios devem utilizar até 80% do repasse feito pelo governo federal para salários dos profissionais da educação. Os 20% restantes devem ser aplicados em investimentos na infraestrutura e manutenção das escolas.

Em Umuarama, a Prefeitura já utiliza 100% do fundo para salários e injeta mais R$ 7,2 milhões para complementar a folha salarial. Dos 970 professores da rede municipal, 190 professores de 20 horas e 94 de 40 horas ganham menos que o piso, sendo que 220 destes foram incorporados recentemente ao quadro funcional e ainda cumprem estágio probatório.

  • Editoria Milênio 

Deixe uma Resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Jornal Milênio
Jornal Terceiro Milênio. Inconfundível. Desde 1997 comunicando e transmitindo informações. Umuarama - Paraná - Brasil.