Policial

Portos clandestinos são destruídos na área de fronteira

Ao longo dos últimos 7 dias, equipe integrada entre policiais federais e militares realizaram a destruição de 15 portos clandestinos localizados às margens do Lago de Itaipu, fronteira com o Paraguai, num perímetro de aproximadamente 80 quilômetros entre os municípios lindeiros de Guaíra e Entre Rios do Oeste.

Esta foi a quarta etapa para retomada destes pontos estratégicos, sendo que ao longo de 2021 foram realizadas outras três atuações estratégicas similares, enfatizando a convergência de propósitos das forças de segurança locais em acoar as organizações criminosas da região.

Importante destacar que ao longo dos trabalhos de destruição as equipes puderam não só manter o planejamento inicial de inutilização dos acessos como também realizar apreensões de contrabando por duas ocasiões, enaltecendo a atenção redobrada dos policiais às movimentações suspeitas na imediações.

O trabalho contemplou o levantamento georreferenciado e a destruição de áreas utilizadas pela criminalidade através de rotas fluviais no Lago de Itaipu para a prática de tráfico de drogas, tráfico de armas, contrabando e descaminho.

Considerando que esses portos clandestinos são feitos na mata ciliar do Lago de Itaipu, em área de proteção ambiental, os proprietários das áreas foram mapeados e identificados. Medidas afins à legislação ambiental poderão ser tomadas contra aqueles que permitirem a ocorrência de crimes em sua propriedade.

Fazem parte do Programa V.I.G.I.A. e desta operação interagências equipes do BPFRON e BOPE da PMPR, Polícia Federal, TIGRE, COPE e GOA da PCPR, BOPE/PMMS, RECEITA FEDERAL, FNSP e EXÉRCITO BRASILEIRO, com apoio da SEOPI – Secretaria de Operações Integradas/MJSP.

  • Assessoria de Comunicação

 

Deixe uma Resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Jornal Milênio
Jornal Terceiro Milênio. Inconfundível. Desde 1997 comunicando e transmitindo informações. Umuarama - Paraná - Brasil.