Região

Parceria do Paraná com Itaipu viabilizará melhorias na Estrada Boiadeira

Recursos de R$ 223 milhões são para investimento no Lote 1

Um convênio entre o Governo do Estado e a Itaipu Binacional traz melhorias à mobilidade de uma das principais ligações do Paraná com o vizinho Mato Grosso do Sul, os dois maiores produtores agrícolas do País. Trata-se das obras de revitalização da BR-487, mais conhecida como Estrada Boiadeira, que recebe investimentos de R$ 223,8 milhões. A maior parte do trecho de 46 quilômetros será pavimentada, reduzindo os custos logísticos de produção do campo.

Nesta sexta-feira (5), o governador Ratinho Junior e o diretor-geral de Itaipu Binacional, Joaquim Silva e Luna, estiveram no distrito de Santa Eliza, em Umuarama, para o lançamento da pedra fundamental da obra. Na solenidade, também foi formalizado o convênio autorizando o repasse dos recursos da binacional para o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR), que recebeu a gestão da obra do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

Reivindicação antiga da população do Noroeste paranaense, a rota será estratégica para o escoamento da produção agrícola dos dois estados e também para a concretização do projeto do Corredor Bioceânico, que integrará o oceano Atlântico ao Pacífico através de um corredor multimodal entre os portos de Paranaguá e de Antofagasta, no Chile.

Obras

A obra na Estrada Boiadeira foi dividida em três lotes, sendo que o recurso de R$ 223,8 milhões é para o Lote 1, que inicia na divisa com o Mato Grosso do Sul, no distrito de Porto Camargo, em Icaraíma, e segue até Umuarama. Com o asfalto implantado neste traçado, os carros, ônibus e caminhões que vêm do estado vizinho conseguirão economizar até 20 quilômetros para chegar a Umuarama, já que hoje é preciso desviar dos trechos não pavimentados.

O prefeito de Umuarama, Celso Pozzobom, lembrou que a população espera há décadas pela pavimentação da rodovia, que vai influenciar no desenvolvimento regional e reduzir o fluxo de veículos pesados que trafegam pela área urbana de Umuarama. “Centenas de caminhões transitam no perímetro urbano pela falta desta estrada, causando um transtorno para os moradores da região do Alto São Francisco”, afirmou.

“Os moradores dos distritos rurais dizem que eles ficaram fora de rota. E agora com a vinda da Boiadeira eles serão inseridos em uma rota de desenvolvimento. O setor agropecuário vai se desenvolver muito, porque uma rodovia de qualidade garante acesso e traz investidores para a região”, completou Pozzobom.

Foto: Gilson Abreu | Ato de lançamento da parceria.

Estão previstas, neste lote, melhorias entre o distrito de Porto Camargo e Icaraíma, um trecho de cerca de 10 quilômetros que já é asfaltado; a construção de um contorno em Icaraíma, para desviar o fluxo de veículos pesados da cidade; e a pavimentação do traçado original da Boiadeira, de Icaraíma ao distrito Serra dos Dourados, já em Umuarama. Neste trecho, também está inclusa a construção de outro contorno, de 4,5 quilômetros, em Santa Eliza.

No total, o investimento contempla 46 quilômetros de rodovias, sendo que alguns trechos já estão em obras.

A formalização do convênio deve acelerar a liberação dos recursos e dar mais velocidade aos trabalhos. Atualmente, cerca 250 trabalhadores estão à frente das obras. A previsão é que elas estejam concluídas até o início de 2022. A revitalização também vai facilitar o acesso da região à cidade de Porto Murtinho (MS), onde será construída uma nova ponte internacional entre Brasil e Paraguai, sobre o Rio Paraguai, com recursos da margem paraguaia de Itaipu.

Outros lotes

Enquanto as obras correm no Lote 1, o Dnit está concluindo o chamamento da empresa que venceu a licitação do Lote 2 – entre a Serra dos Dourados e Cruzeiro do Oeste. Serão 37 quilômetros de obras, passando pela localidade de Lovat e coexistindo com a PR-323.

O contrato é do modelo de RDCI, ou seja, a mesma empresa faz o projeto e executa a obra. Essa conexão alcança no Lote 3, o primeiro a sair do papel, em 2013, entre Cruzeiro do Oeste e Campo Mourão. Há expectativa de encerrar a revitalização da Boiadeira nos próximos cinco anos, com mais de 150 quilômetros no Paraná.

Parceria

O projeto da Estrada Boiadeira faz parte de um conjunto de obras financiadas pela margem brasileira de Itaipu e executadas pelo Governo do Estado, em um pacote que soma R$ 1,4 bilhão em investimentos.

A lista inclui a construção da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, entre Foz do Iguaçu e Presidente Franco; a duplicação da BR-469, a Rodovia das Cataratas, e a ampliação da pista do Aeroporto Internacional do Iguaçu, também em Foz; o Contorno de Guaíra; a duplicação do Contorno Oeste e da BR-277, em Cascavel; a revitalização da Ponte Ayrton Senna, em Guaíra; a implementação de iluminação viária em trechos da BR-277, na região Oeste; e a ligação entre Ramilândia e Santa Helena.

  • Foto: Divulgação

[Assessoria de Comunicação]

Deixe uma Resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Jornal Milênio
Jornal Terceiro Milênio. Inconfundível. Desde 1997 comunicando e transmitindo informações. Umuarama - Paraná - Brasil.