Região

Preso homem suspeito de matar a freira de Iporã

Assassinato pode ter sido praticado por vingança de taxista

Após 10 dias de intenso trabalho investigativo, agentes da Polícia Civil do Rio Grande do Sul prenderam nesta quarta-feira (27) um homem de 28 anos considerado o principal suspeito de ter matado a freira Maria Ana Dal Santo, 79, que atuava na cidade de Iporã, Noroeste do Paraná. Ela foi assassinada com golpe de facão no pescoço, dentro da casa da irmandade, localizada no interior do município de São João do Polêsine (RS).

O homem detido preventivamente por ordem judicial expedida pela Juízo Criminal da Comarca de Faxinal do Soturno confessou a autoria do crime e indicou o local onde dispensou o facão, que foi localizado e apreendido.  Segundo o delegado regional Sandro Luiz Meinerz, o suspeito já havia sido ouvido uma vez e entrou em contradição sobre seu paradeiro no dia do crime. Mas testemunhas relataram que viram o veículo de cor vermelha – de propriedade dele – circulando no local. Agentes policiais analisaram imagens de câmeras de segurança e identificaram o carro fazendo o trajeto as cidades de Faxinal e São João. O detido foi encaminhado ao Presídio Estadual de Agudo e está à disposição da autoridade judiciária. O inquérito deverá ser concluído em 10 dias, prevê o delegado.

Irmã Maria Ana, assassinada aos 79 anos.

Motivação do crime

Conforme o delegado Sandro Meinerz, a motivação do crime ainda não está bem esclarecida. Mas de acordo com indícios levantados pela investigação, pode ter sido por vingança. O acusado trabalhava com táxi executivo e, inclusive, já havia prestado serviços à vítima nos dias anteriores ao crime. Ele teria se oferecido para levar a freira a Iporã, mas familiares dela não concordaram. Ela deveria retornar com o mesmo motorista já conhecido que a levou. Também é investigado interesse em compra ou herança de propriedade onde as irmãs residiam.

No dia do crime, o suspeito esteve na casa da vítima e conversou com ela, que estava sozinha naquele momento. Na saída, ele teria ido até o carro, pego um facão com lâmina de 60 centímetros e atacado de surpresa Irmã Maria Ana,  no quarto. “Ele foi lá (na casa) com  o propósito de matá-la. Observamos que não foi levado objetos nem dinheiro”, declarou o delegado. O taxista deverá ser indiciado por homicídio duplamente qualificado.

Irmã Maria Ana trabalhava em Iporã.

Local do crime

O crime aconteceu na manhã do dia 17 de janeiro, na casa onde Irmã Maria Ana estava alojada no interior do município de São João do Polêsine – Linha Glória (Quarta Colônia de Imigração Italiana). A religiosa saiu de Iporã antes do Natal e pretendia retornar à cidade na mesma semana que ocorreu o crime. Viajou para São João do Polêsine, cidade de 3.550 habitantes, para cuidar de uma irmã que havia sofrido acidente doméstico e estava hospitalizada em Paraíso do Sul.

O corpo da religiosa foi encontrado por outra irmã de congregação que foi até a casa para lhe fazer companhia naquele domingo. Foi pedido socorro na vizinhança, mas nada mais poderia ser feito para salvar a vida de Irmã Maria Ana.

Em Iporã, Irmã Maria Ana residia há 40 anos. Residia e trabalhava na Escola Nossa Senhora Aparecida, implantada pela Congregação Imaculado Coração de Maria. Sua morte trágica gerou comoção e revolta àqueles que a conheciam, somente praticando o bem.

  • Fotos: Reprodução

[Editoria Milênio – com Brandão Junior]

Deixe uma Resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Jornal Milênio
Jornal Terceiro Milênio. Inconfundível. Desde 1997 comunicando e transmitindo informações. Umuarama - Paraná - Brasil.