Saúde

Clínica Odontológica da Unipar atende alunos da Apae

Apae está fechada, mas o atendimento continua na Clínica da Unipar

“Esses alunos não podem ficar desassistidos”. A afirmação é da professora do curso de Odontologia da Universidade Paranaense, Luciana Zafanelli. Ela se refere ao atendimento proporcionado via projeto de extensão da Unipar para alunos da Apae nesta fase de pandemia.

Há cerca de 12 anos o projeto é levado à entidade, que conta com consultório odontológico, onde estagiários do curso de Odontologia, supervisionados pela professora Luciana, cuidam da saúde bucal das crianças. Este ano, por causa da Covid-19, esse serviço social foi interrompido, mas retornou, neste mês, só que na Unipar, já que a escola continua fechada.

A Clínica Odontológica da Unipar reservou a quinta-feira para a Apae. Nesse dia, em período integral, as crianças, acompanhadas dos pais, vêm para as consultas e procedimentos. “Sabemos que, por conta da pandemia, eles ficam ociosos em casa, comem fora do horário e, muitas vezes, a higiene bucal não é realizada de maneira adequada, por isso precisam dessa nossa assistência”, reforça a professora.

O projeto reúne acadêmicos do quarto ano, que aproveitam a chance para exercitar teorias e habilidades em atendimento a pacientes especiais. “A Unipar é uma das poucas universidades brasileiras que investem em projeto específico para pacientes especiais”, informa a professora, lembrando que esse é um campo de especialidade da odontologia promissor.

 Orientação sobre escovação.

“Mudamos de local, mas o carinho, a atenção, o olho no olho… isso tudo continua o mesmo. O resultado está sendo positivo e virou uma família: a da Odontologia da Uniapr  e a da Apae”, arremata Luciana.

Para retomar os trabalhos práticos do curso de Odontologia, a Unipar teve que investir em equipamentos de proteção de alto grau de eficiência e assim garantir segurança aos pacientes, alunos e professores.

Além dos protocolos de biossegurança comuns adotados desde sempre (gorro descartável, luvas, óculos e máscaras), agora acadêmicos e professores reforçam a vestimenta e o conjunto de acessórios obrigatórios, como máscara cirúrgica N95, protetor facial e avental descartável sobre o jaleco padrão; e os pacientes, ao entrar, recebem jaleco e touca e, ao sair da cadeira do consultório, uma máscara.

  • Imagens: Unipar.

[Assessoria de Comunicação] 

Luciana supervisiona os trabalhos dos estudantes.

 

Deixe uma Resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Jornal Milênio
Jornal Terceiro Milênio. Inconfundível. Desde 1997 comunicando e transmitindo informações. Umuarama - Paraná - Brasil.