Região

Guaíra ganha nova porta de entrada com acesso pavimentado e parque

Um investimento de cerca de R$ 3,2 milhões do Governo do Estado em Guaíra, está transformando o principal acesso ao município de 32 mil habitantes. Estão em obras desde julho deste ano as revitalizações de duas grandes avenidas e a construção de um parque urbano. Os principais objetivos são dividir o tráfego pesado da rodovia federal BR-163 e solucionar um problema de drenagem das águas da chuva, além de oferecer uma nova alternativa de lazer e entretenimento para os moradores.

A cidade tem três grandes novelos viários e as intervenções atuais estão em andamento no trevo de entrada, onde a BR-163 se transforma em via urbana e encontra a BR-272, que traz o fluxo comercial e turístico de Maringá e Umuarama.

Guaíra é uma das portas de entrada do Paraná para quem vem do Mato Grosso do Sul e do Norte do Brasil e é um entreposto do trânsito de caminhões entre o Centro-Oeste e o Porto de Paranaguá, tanto que a BR-163 encontra, 150 quilômetros depois, a BR-277, principal corredor de exportações do Estado.

Entrada da cidade pela BR-163.

As duas avenidas que estão sendo revitalizadas formam uma espécie de V a partir da entrada do município. Elas permitem que os carros leves, que não precisam fazer a ligação com a ponte e o estado vizinho, desviem a rodovia federal para alcançar o Centro, deixando a BR-163 com a exclusividade do trânsito pesado. Esse atalho também abraça o novo parque em implantação atrás da Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

A ideia urbanística surgiu de maneira inusitada. Técnicos da Prefeitura de Guaíra subiram no topo do edifício mais alto do município e tentaram arquitetar de maneira instintiva uma solução para essa região conturbada pela confluência do trânsito do acesso principal de Guaíra. E o que surgiu como um projeto de desvio encontrou investimento do Estado em um parque, diante do recém-criado Programa de Parques Urbanos, da secretaria estadual de Desenvolvimento Sustentável e do Turismo.

“O intuito é ter uma entrada moderna, com pavimentação, iluminação com LED, jardim, calçadas acessíveis, dentro das normas mais completas de desenvolvimento urbano. Essa mesma área tem uma UPA e tinha um parque muito antigo, era uma região que precisava de uma solução para as águas da chuva, por isso o complemento do projeto do Parque Fundo de Vale”, explica o engenheiro civil Luiz Mitsuo Shiomi, secretário Municipal de Planejamento. “É a união perfeita de várias soluções com desenvolvimento sustentável”.

Avenidas

Rua Marginal e Avenida Albino Guazella.

A Rua Albino Guzella é a nova porta de entrada dos carros. As obras de pavimentação e revitalização englobam 1,1 quilômetro de comprimento por 9,5 metros de largura. O investimento estadual nessa via é de R$ 721.809,01. Ela começa ao lado de um novo condomínio de casas, com canteiro de palmeiras no meio, e, em linha reta, termina na Prefeitura, na Igreja Matriz, na Câmara Municipal e no Fórum.

Antes disso, no entanto, ela encontra a Avenida Marginal em uma rotatória. Essa segunda via tem 1,6 quilômetro de comprimento por 6,5 metros de largura e conta com um córrego no meio. Ela será o principal acesso ao Parque Fundo de Vale. O investimento nela é de R$ 744.215,22. O V é justamente essa conexão entre as duas, ligações alternativas com a BR-163.

As pavimentações poliédricas começaram a ser substituídas por pavimentação asfáltica em julho e a expectativa é de conclusão até dezembro. A Secretaria de Infraestrutura e Logística disponibilizou cerca de R$ 1 milhão para cada obra, mas as licitações ocorreram em valores inferiores. Ainda há contrapartida municipal nos dois contratos.

A Rua Albino Guzella começa depois de alguns metros percorridos na BR-163, na frente da sede da Cooperativa Integrada, e o projeto futuro é ligá-la ao trevo principal, o que a transformará, efetivamente, em uma nova entrada. A Avenida Marginal ainda receberá uma conexão com uma rua vicinal, ao lado do parque, também asfaltada, para facilitar o trânsito dos carros em direção ao local de lazer.

Esse investimento está dentro de um pacote de 174,5 quilômetros de revitalizações em avenidas e ruas de 55 municípios do Paraná. As obras contemplam, ao todo, 64 recapes ou pavimentações, cinco pavimentações poliédricas – Pinhalão, Prudentópolis, Araruna, Marumbi e Leópolis – e uma pavimentação em bloco sextavado em Santa Isabel do Ivaí.

Parque do Lago

Obras para Revitalização de Parque Fundo de Vale.

O Parque Fundo de Vale é fruto de um convênio de R$ 1.789.016,07 do município com o Instituto de Água e Terra. (IAT), vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e do Turismo. Ele vai substituir uma antiga área verde que contava com um pequeno lago e nenhuma estrutura para diversão.

O novo lago tem um formato bem mais amplo com pista de caminhada ao redor, projeto de arborização com ipês, jacarandás e palmeiras, letreiro do município, parque de diversão, uma península para observação dos peixes, iluminação com LED e novo estacionamento.

Atualmente os trabalhos englobam o aprofundamento e o nivelamento do lago, além de terraplanagem nas áreas que receberão a pista de caminhada. As obras atingiram 14% no começo de agosto e a previsão de conclusão é no final do ano. Visto de cima o lago do parque lembra o formato dos pulmões do corpo humano com a península unindo os dois lados, doce semelhança ao potencial de uma área arborizada num município.

Esse novo parque também é uma solução para vários problemas urbanos, como contenção das cheias, ação erosiva, ocupação irregular e depósito de lixo. Ele é um dos 46 inseridos no Programa Estadual de Parques Urbanos, inédito no Paraná.

“A ideia é revitalizar áreas degradadas, onde existem córregos ou algum recurso hídrico. Essa transformação evita a ocupação irregular, a transformação de área de lixão, e é uma zona de contenção de alagamento. Ele serve como bacia de contenção de cheia para que as águas não se espalhem, com gramas e vegetação permeável”, afirma Tatiana Nasser, arquiteta e urbanista do IAT. “Esses parques também criam distanciamento de ocupação, melhoram a cidade e são fundamentais para lazer, turismo e entretenimento”.

Novo conceito

O parque e os acessos vão ajudar Guaíra a transformar em rotina um novo conceito que está sendo propagado com obras e ações, em parceria com o Governo do Estado. A cidade era taxada de “fim de Paraná” tenta emplacar cada vez mais a visão de “entrada do Paraná”, como Foz do Iguaçu e as cidades mais ao Norte na divisa com o Mato Grosso do Sul (Porto Camargo e Porto Rico).

“O Governo do Estado investiu muito em segurança pública nos últimos anos. Temos uma terra muito produtiva e estamos remodelando a infraestrutura e os acessos municipais”, complementa Sinomar Maria Neto, secretário municipal de Agropecuária, Infraestrutura e Meio Ambiente. “Guaíra tem um potencial turístico e comercial ainda inexplorado, e essa iniciativa pode marcar o início de um novo ciclo de prosperidade”.

  • Imagens: Geraldo Bubniak – AEN

[Assessoria]

 

Deixe uma Resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Jornal Milênio
Jornal Terceiro Milênio. Inconfundível. Desde 1997 comunicando e transmitindo informações. Umuarama - Paraná - Brasil.