Saúde

Paraná planeja melhorar transporte de órgãos para transplantes

O Paraná é referência nacional em transplante de órgãos em função de um eficiente sistema de coleta e transporte, e da conscientização da população, que entende a importância da doação. Para agilizar e ampliar esse serviço, em razão da crescente demanda, o Governo Estadual instituiu uma comissão que avalia a troca das aeronaves que são utilizadas na captação das doações.

Um relatório dará base ao edital de compra de um avião mais moderno. Uma das premissas é da economicidade. Por isso, a opção em estudo é adquirir um modelo seminovo, mas que tenha maior autonomia de voo em relação à frota existente.

Entre 2011 e 2018 houve aumento de 208% na demanda da Central Estadual de Transplantes, mas nenhuma aeronave foi adquirida nesse período. Até o final de setembro deste ano foram realizados 1.257 transplantes no Paraná – 623 órgãos e 634 córneas – e mais de 90 voos foram realizados para essa finalidade.

O volume de captação poderia ser maior se as aeronaves disponíveis tivessem maior capacidade de voo. Hoje, o trabalho está concentrado em dois aviões do modelo Sêneca III, com mais de 35 anos de uso. Essas aeronaves voam em baixa velocidade e têm severas restrições em relação ao clima, por operar também em baixas altitudes.

Segundo a médica Arlene Terezinha Cagol Garcia Badoch, coordenadora da Central Estadual de Transplantes, sem as aeronaves, metade dos procedimentos realizados nos últimos anos não teria acontecido, mas o reforço do serviço de transporte é fundamental para ampliar o número de atendimentos.

“O Paraná é o Estado com maior volume de doações no Brasil. Se fôssemos um País, estaríamos entre os primeiros do mundo”, pontua Arlete. “Essas conquistas só foram possíveis com auxílio da aviação e das equipes multidisciplinares que trabalham 24 horas por dia para garantir vidas salvas”, ressalta a médica.

Avião moderno

A orientação técnica para o serviço é pelo uso de um bimotor turboélice, que permita voos acima de 29 mil pés, com velocidade acima de 500 quilômetros por hora – o dobro das atuais aeronaves -, e que tenha capacidade para atravessar grandes linhas de instabilidade climática, típicas das frentes frias que frequentemente atingem o Paraná.

“Com o aumento da velocidade de cruzeiro, os tempos de voo entre os aeroportos serão reduzidos em quase 50%. Aumentamos a capacidade de realizar eventuais desvios meteorológicos e a eficácia no processo”, destaca o major Welby Pereira Sales, chefe da Casa Militar. “Com menor tempo de voo, o número de missões com a mesma estrutura administrativa poderá ser aumentado consideravelmente”.

A agilidade da operação de transporte é fundamental para o sucesso do transplante porque entre o momento da retirada do órgão ou tecido há um intervalo de isquemia, que é o tempo entre o bloqueio do fluxo sanguíneo até o momento em que há nova irrigação, já no corpo do receptor. No caso de coração e pulmão, por exemplo, este tempo é de aproximadamente 4 horas.

Até 2011 todos os transportes de órgãos eram feitos apenas por via terrestre. Naquele ano a Seção de Transporte Aéreo (STA) da Casa Militar estabeleceu um convênio com a Central Estadual de Transplantes, e, desde então, mantém as aeronaves disponíveis para apoiar as captações e transportes de órgãos.

O apoio aéreo trouxe inúmeros benefícios para o sistema estadual de transplantes, entre eles o aumento na capacidade de captações e salvamento de vidas, rapidez e tempo de resposta da equipe multidisciplinar envolvida. Outro aspecto é a menor incidência de atrasos na liberação dos corpos dos doadores.

O Paraná foi o primeiro Estado do Brasil a concluir e aprovar um Plano Estadual de Doação e Transplantes, com planejamento até 2022. Tudo é controlado em uma Sala de Situação, que monitora o Estado 24 horas por dia e faz a análise dos dados para elaborar estratégias de ação. São quatro câmaras técnicas – coração, fígado, rim e córneas.

1.257 transplantes em nove meses

Entre janeiro e setembro deste ano foram realizados 1.257 transplantes (623 órgãos e 634 córneas) no sistema estadual. Houve captação de 543 doadores falecidos e de 80 doadores vivos, com destaque para rins (421) e fígados (180).

Entre 2011 e 2018, o Paraná somou 1.530 doadores efetivos, sendo transplantados 3.710 órgãos.

A média nacional de doações de órgãos é de 17 pmp (partes por milhão da população), enquanto o Paraná fechou os primeiros dez meses deste ano com 42 pmp.

O salto estadual entre 2010 e 2018 foi de 600%: o Estado tinha 6,8 doadores pmp no começo da década e atingiu 47,7 pmp no ano passado, liderando o ranking de doações no País.

Central de Transplantes conta com 700 profissionais

A Central Estadual de Transplantes mantida pelo Governo do Paraná está localizada em Curitiba, mas há quatro Organizações de Procura de Órgãos (OPO’s), na capital, Londrina, Maringá e Cascavel.

Estes centros trabalham na orientação e capacitação das equipes distribuídas em 67 hospitais do Paraná, que mantêm Comissões Intra-Hospitalares de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT).

São cerca de 700 profissionais envolvidos, entre eles 23 equipes de transplante de órgãos, 25 centros transplantadores de córneas e três bancos de córneas em atividade – Londrina, Maringá e Cascavel.

(Assessoria)

Foto: Venilton Küchler | Central conta com 700 profissionais envolvidos.
|

Deixe uma Resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Jornal Milênio
Jornal Terceiro Milênio. Inconfundível. Desde 1997 comunicando e transmitindo informações. Umuarama - Paraná - Brasil.