Universitário

Gincana da Unipar arrecadou 17 toneladas de alimentos

A quarta edição da Jaeng (Jornada Acadêmica das Engenharias) da Universidade Paranaense, em Umuarama, superou todas as expectativas dos organizadores. E o destaque ficou para a gincana, que integrou as turmas dos três cursos: Engenharia Mecânica, Engenharia Civil e Engenharia Agronômica.

As tarefas renderam aprendizado, trabalho em equipe, solidariedade e muita animação entre as turmas. Divididos em oito equipes, os estudantes das três graduações foram testados em provas culturais, sociais, teóricas e práticas. Antes, participaram de palestras, oficinas e minicursos, que abordaram temas extracurriculares. A prova social foi cumprida com empenho máximo dos participantes, rendendo 17,6 toneladas de alimentos, número recorde (ano passado foram 8 toneladas e no retrasado, 3).

Os donativos foram repassados para dez entidades filantrópicas de Umuarama e região. Uma delas é o projeto Caridade, que atua no Jardim Petrópolis e bairros adjacentes e no Sonho Meu. A representante Idineis Novais conta que chorou ao saber da doação. “Esse gesto dos estudantes nos dá ânimo para continuar batalhando pelos que precisam da nossa ajuda”, diz.

O aluno da Apae de Maria Helena, Cláudio Inácio de Souza, também agradece a bondade dos estudantes. “Ficamos muito felizes! Que Deus abençoe a todos”, exclama. Houve um breve ato solene antes da entrega, realizado pelas coordenadorias dos cursos, com os representantes das entidades. O coordenador do curso de Engenharia Civil, professor Everlei Câmara, abriu o diálogo. “Mais uma vez, nossos alunos nos surpreenderam. Houve da nossa parte a sugestão, o incentivo, mas esse resultado é mérito do empenho deles, da vontade de ajudar o próximo”, enalteceu.

A acadêmica Mayara Costa, do curso de Engenharia Civil, endossa. Para ela, a prova solidária vai bem além do objetivo de ganhar pontos nas disciplinas. “Nós nos empenhamos, acima de tudo, pela satisfação de colaborar com as entidades assistenciais, para favorecer pessoas necessitadas”, falou. Durante a jornada, os futuros engenheiros também arrecadaram mais de 500 quilos de ração para a SAAU (Sociedade de Amparo aos Animais de Umuarama). A solidariedade das equipes não parou por aí. Uma boa parte dos alunos também doou sangue para o Hemonúcleo de Umuarama e se cadastrou para a doação de medula óssea.

Desafios propostos

As provas das gincanas provocaram os acadêmicos em conhecimentos interdisciplinares. Lançamento de foguetes (construídos com garrafas pet), carneiro hidráulico (dispositivo hidráulico que não consome energia elétrica e é usado para levar uma quantidade de água para um nível mais alto), aparato ao ovo (construção de pórtico de concreto para suportar a queda de um peso sobre o ovo e mantê-lo intacto), construção de silo, ponte de macarrão, concrebol (construção de bola de concreto) e carrinho robô foram algumas delas. Na prova do guindaste, construído com palitos de madeira (de sorvete) e cola, a equipe vencedora levantou 130 quilos com uma grua de cinco quilos, batendo o recorde do ano passado [em 2017, a grua vencedora também pesava cinco quilos, mas levantou apenas 50 quilos]. Outro recorde também foi batido na prova do foguete, quando o vencedor foi lançado a 158 metros [a maior distância alcançada até então tinha sido 140 metros]. 

(Assessoria)

Foto: Divulgação |
Cláudio Inácio, da Apae de Maria Helena, na Unipar.

 

Foto: Divulgação | Professores, acadêmicos das engenharias e os alimentos arrecadados.

 

Deixe uma Resposta