Cultura

Unipar abre pesquisa para alunos do ensino médio

O Brasil, segundo a Unesco, possui cerca de 700 pesquisadores por milhão de habitantes, número cerca de cinco vezes menor que Rússia, União Europeia e Estados Unidos. Na América Latina, nosso país fica em segundo lugar, abaixo da Argentina, que tem quase o dobro. Embora a passos lentos, esse quadro parece estar mudando para melhor. O Ministério da Educação tem investido em algumas iniciativas para despertar os jovens para a ciência experimental, instigando a curiosidade, a paixão pelo conhecimento e o raciocínio lógico.

Uma delas é o PEBIC-Jr (Programa Externo de Bolsas de Iniciação Científica Júnior), que oferece oportunidade para o estudante do ensino médio, da rede pública, de participar de atividades de pesquisa científica em IES (Instituições de Ensino Superior). A Universidade Paranaense – Unipar, todos os anos, recebe um grupo. Neste, nove acabam de ser selecionados para atuação em projetos das áreas da saúde, ciências biológicas e tecnologia. Junto aos professores da Unipar, esses alunos terão a chance do aprendizado de técnicas e métodos de pesquisa, bem como o desenvolvimento do pensar científico e da criatividade.

Antes desta turma, oito participaram. Entre eles estavam Jenifer Rezende, do Colégio Estadual Monteiro Lobato, e Dirce Consuelo Correia, do Instituto Federal do Paraná. Elas integraram a equipe da professora doutora Francislaine Lívero, coordenadora do projeto ‘Investigação da atividade terapêutica de plantas medicinais em um modelo de aterosclerose, diabetes mellitus e tabagismo’. O projeto, de grande abrangência, reuniu também os professores pesquisadores Ricardo de Mello Germano e Andréia Assunção Soares, da Unipar, Alexandra Acco, da UFPR, Arquimedes Gasparotto Junior, da UFGD, e João Tadeu Ribeiro Paes, da Unesp, além de estudantes da Unipar, da graduação, mestrado e doutorado. Para a professora Francislaine, a colaboração da Jenifer e da Dirce foi inspiradora: “Elas aproveitaram muito bem a oportunidade para aprender sobre o que é e como se faz uma pesquisa”.

Além disso, para a professora, o PEBIC-JR “é uma excelente forma de plantar uma sementinha de amor pela ciência no coração desses alunos, para que futuramente se tornem pesquisadores e consigam melhorar a nossa realidade com seu trabalho”. É o que almeja Dirce. Ela afirma que a experiência de participar do projeto foi gratificante: “Foi uma oportunidade única para uma aluna do ensino médio como eu: agregou muito conhecimento, que será um diferencial no meu futuro”.

Mais projetos

Os alunos Victor Kenji e Vitória Hellen, do Colégio Estadual Dom Pedro II, também foram contemplados com o PEBIC-Jr, na Unipar. Victor participou do projeto que pesquisa doenças infectoparasitárias em animais domésticos de regiões fronteiriças entre Brasil e Paraguai, coordenado pela professora pesquisadora Daniela Dib. Ele diz que decidiu participar do programa para aprimorar o currículo escolar: “A experiência foi ótima! Eu me identifiquei com esse projeto da Unipar, que me possibilitou um aprendizado a mais. Agradeço imensamente essa oportunidade”.

Vitória também foi orientanda da professora Daniela, mas atuou no projeto que pesquisa o gene mecA em suínos, na região noroeste do Paraná. O PEBIC-Jr na Unipar é gerenciado pela Diretoria Executiva de Gestão da Pesquisa e Pós-Graduação, via Copic (Coordenadoria de Pesquisa e Iniciação Científica). As bolsas, no valor de cem reais cada (mensalmente, durante um ano), são bancadas pelo CNPq, que repassa à Unipar pela relevância das pesquisas.

(Assessoria)

Foto: Divulgação | Estudante Dirce Consuelo Correia, do IFPR: Pesquisa atividade terapêutica de planta medicinal.
Foto: Divulgação | Alunos Victor Kenji e Vitória Hellen, em laboratório da Unipar.

 

 

 

 

Deixe uma Resposta