Umuarama

Cooperativa recebe somente 17% de materiais recicláveis em Umuarama

Fotos: Divulgação.

Criada há cerca de 10 anos, a Cooperativa dos Catadores de Recicláveis de Umuarama (Cooperuma) recebe uma média de 11 toneladas de resíduos por dia para processar e encaminhar à reciclagem. Esse volume representa uma média mensal em torno de 270 toneladas de alumínio e outros metais, plásticos, vidro e papelão recolhidos nas ruas, por meio da coleta seletiva (que atende a todos os bairros de Umuarama) e também do aterro sanitário.

Os cooperados recolhem toneladas de materiais a partir dos entulhos transportados a uma área especial do aterro sanitário, por meio do Programa Bairro Saudável. “Eles têm acesso à célula que recebe entulhos e resíduos recolhidos na frente das casas, nos canteiros e praças – como móveis velhos, equipamentos eletrônicos, brinquedos e utensílios domésticos – que acabam descartados de forma irregular pela população. Porém, não podem entrar na célula que recebe o lixo orgânico”, acrescenta o diretor de Agricultura e Meio Ambiente da Prefeitura, Elídio Pavan.

A presidente da Cooperuma, Gisele Domingos, solicita à população que separe mais recicláveis e não misture com lixo orgânico o material que é destinado à coleta seletiva. “Notamos que ainda vai muito material reciclável para o lixo comum. Nos que são separados, às vezes encontramos restos de comida, folhas, insetos e até animais mortos”, lamenta Gisele. “Também pedimos à população para passar uma água por dentro de embalagens de produtos lácteos, como caixinhas de leite, requeijão, iogurte, leite condensado e outros, para evitar o mau cheiro”.

O baixo volume de recicláveis separados pela população influenciam diretamente na renda obtida pelos cooperados e também na vida útil da célula de lixo orgânico. “O problema é que além de apenas 17% do total de materiais chegar até a cooperativa, cerca de 30% desse volume são descartados (rejeitos), por não terem mercado. Sem falar no lixo orgânico que alguns moradores colocam em meio aos recicláveis”, acrescenta o técnico ambiental Valério Silva. Com isso, a renda mensal atingida pelos cooperados é de R$ 1.200,00 em média

 

Deixe uma Resposta